Como entender mal o Software Livre

Equívocos sobre software livre, corrigidos.

A indústria de software não pode continuar se os programadores não forem pagos

Worried woman

Vamos começar com um simples fato: os programadores de software livre gostam de receber pagamento, e todos tem a necessidade de comprar almoço em algum momento.

Quando falamos de software livre, nos referimos a liberdade, não preço. Você pode realmente pagar para obter o software livre (ou software de “código aberto” 1), que você pode, então, estudar, modificar e copiar à vontade.

Como ele funciona? Você pode pensar da seguinte forma: software é apenas um código, o código é só matemática. Uma vez que você ver o software como matemática útil uma linguagem elaborada, não como propriedade comum, não há razão para restringir a utilização dos outros.

Assim como matemática (onde ninguém iria reclamar propriedade sobre uma equação), o software exige um conhecimento avançado para ser adaptado, melhorado, aplicado corretamente. Este é o local onde os programadores geralmente geram uma renda: muitos clientes, principalmente empresas, estão dispostos a pagar para atualizações de segurança regulares e melhorias no software.

Empresas de software livre se beneficiar de um sistema de desenvolvimento muito descentralizado, com um grande número de contribuintes voluntários. As receitas dentro da indústria de software livre pode ser menor do que no contraponto privativo, mas não são de forma insignificante. No final, os usuários individuais, geralmente acabam usando software livre, sem nenhum custo.

O software livre não é sobre a matança de incentivos para os programadores. Trata-se de ver o código como o conhecimento que não devem ser escondidos do usuário. Ele funciona com um modelo de negócio diferente, o qual muitas empresas já fazem bem.

Inovação é morta no software livre

A percepção comum é que, se todos podem copiar ideias, a inovação será sufocada.

Na verdade, a liberdade é muitas vezes a chave para um software inovador e bem sucedido.

  • Qualquer um é permitido e incentivado a trabalhar em cima dele;
  • Muitas pessoas estão dispostas a participar;
  • Não há necessidade de reinventar tudo, as ideias podem ser melhoradas diretamente.

Software não-privativo se destaca em diversas áreas: considerando , para citar apenas alguns:

Software só deve funcionar

Qualquer pessoa deve se preocupar se o seu software é livre.

Imagine comprar um carro cujo capô você está proibido de abrir. Não importa se você sabe como funciona um carro - o ponto é que ninguém será capaz de verificar o motor. Como você pode confiar em seu carro, se ninguém tem permissão para certificar de que é confiável, que não vaza, que não é prejudicial para a sociedade e o meio ambiente?

A ideia é a mesma coisa com software - exceto que o código faz muito mais que mover carros. Software é executado nossos computadores, telefones, televisores, players de mídia e muito mais, levando informações e nossa cultura.

O software livre é tão importante quanto a liberdade de expressão, como um mercado livre. Se o software é livre, os usuários têm controle e liberdade sobre ele.

A boa notícia é: software livre simplesmente funciona também E, de fato, muitas vezes simplesmente funciona melhor. Conecte um pendrive live com GNU/Linux em seu computador na inicialização, para experimentar um sistema completo, cheio de recursos e bem organizado, sem instalação, para que você possa julgar por si mesmo.

O software livre não respeita o software protegido por direitos autorais e patenteado pelos autores

Para responder isso corretamente, é preciso primeiro fazer uma clara distinção entre os direitos autorais e patentes. O copyright é um direito concedido ao autor sobre o seu / sua criação (por exemplo, o texto de um livro, ou o código fonte de um programa). Uma patente, por outro lado, é uma compra, um registro de controle exclusivo de um processo, ou a aplicação de uma ideia.

Copyright é muito importante no software livre. É o próprio mecanismo, central para a Licença Pública Geral GNU, a qual garante que o software livre é livre e que autores são creditados para o seu trabalho. Programas tem direitos autorais, sejam eles livres ou privativos.

Qualquer autor de software privativo pode facilmente verificar que o seu direito autoral não seja violada em uma aplicação de software livre, já que seu código-fonte é prontamente disponível.

Patentes em software, por outro lado, são um conceito muito controverso. Para abrevia-lo: não há tal coisa como um “software patenteado”. Ao registar-se uma patente, no entanto, alguém pode reivindicar a posse sobre um processo. A patente em seguida, aplica a todos os softwares que utilizam este processo, privativo ou livre.

Patentes de Software:

  • São caros e são concedidos apenas alguns anos após a aplicação;
  • São limitados geograficamente (a patente concedida nos EUA é inútil na Europa);
  • Têm longos períodos de vida (muitas vezes 20 anos) em uma indústria que se move rapidamente;
  • Frequentemente, aplicam-se processos inteiramente triviais.

Como tal, elas raramente são usadas para beneficiar os inovadores (e de fato, raramente utilizado pelos próprios inovadores).

É seguro dizer que qualquer parte de software de tamanho médio viola patentesem vários países, sendo livre ou não.

Dependendo da capacidade da holding para cobrir grandes custos legais, ou revidar com ameaças de patente, royalties e restrições podem ser aplicadas sobre essas patentes.

Leia mais:

Software livre é como o comunismo

Os defensores dessa ideia argumentam que não pode haver propriedade privada, com software livre (ou “código aberto” 1). Vamos responder com um exemplo.

Vamos imaginar que você use um aplicativo que é software livre, em casa e dentro de sua empresa. Você encontra uma ótima maneira de melhorá-lo, agora com sua versão modificada, o computador funciona melhor e as suas fábricas funcionam duas vezes mais rápido!

Esta versão modificada é a sua própria versão. Você não é obrigado a contar a ninguém sobre isso, nem tem o dever de compartilhar qualquer dos lucros feitos usando-o. Você está simplesmente exercendo sua liberdade para usar e modificar software livre.

O que a licença de software livre exige é que se você redistribuir este software, então você deve mantê-lo livre. Ou seja, se você vender CDs com o software neles, ou começar a deixar as pessoas fora de sua casa ou empresa usá-lo, então você deve:

  • Ou dar a todos os mesmos direitos que você tinha quando obteve o software original, ou seja, a liberdade para inspecionar, modificar e redistribuir sua versão modificada;
  • Ou, fazer o software original e sua adição secreta para ele claramente separada (isto é, sua adição não deve conter nada do trabalho original) .

So in fact, you have more "ownership" over free software than over proprietary software – where the programmer decides everything you can and can't do with the software.

Software livre não tem nada em comum com sistemas políticos. Você pode usar software livre sobre software privativo, e vice-versa. A licença do software livre é apenas um contrato legal e ético entre o programador e o usuário final.

Software livre não pode ser seguro

O argumento, geralmente, é que o código fonte do software livre está disponível portanto, é menos provável que seja seguro.

Resposta curta: A maioria dos servidores rodam software livre. Eles são os principais computadores em rede que detêm as informações sensíveis ou confidenciais, como seus dados bancários ou segredos comerciais.

A resposta mais precisa é que a disponibilidade do código-fonte é uma garantia de segurança, não uma fraqueza. A liberdade do software garante que pode ser inspecionado, testado e aperfeiçoado por uma comunidade muito grande. Um bom cadeado é seguro porque a tecnologia usada para projetar está aberta, mas apenas o titular da chave pode abri-lo. O mesmo vale para o software.

Quer exemplos? Dê uma olhada no navegador web Firefox, no servidor HTTP Apache, no servidor web Nginx, no servidor de e-mail Dovecot, no agente de transferência de e-mail Exim, no sistema de criptografia OpenPGP, ou no sistema operacional OpenBSD. E não existem vírus ou spywares para GNU/Linux.

Fico abandonado com software livre

Nem um pouco.

  • Se você estiver procurando por uma boa documentação e fóruns de suporte para ajudá-lo, há muito disponível gratuitamente para software. (“open source”).
    Cada distribuição GNU/Linux tem sua própria comunidade (por exemplo, Ask Ubuntu ou Ask Fedora), mas há outras comunidades de ajuda de GNU/Linux em geral, como Unix & Linux Stack Exchange.
  • Existem muitos canais de discussão em tempo real para a comunidade de software livre. IRC, ou Internet Relay Chat, é uma forma de comunicação em tempo real baseada em texto. Você pode ter conversas com várias pessoas em um canal aberto ou bater um papo com alguém em particular, individualmente. As principais distribuições GNU/Linux têm seus próprios canais IRC dedicados, onde você encontrará usuários e desenvolvedores que ficarão felizes em responder às suas perguntas. Aqui você pode encontrar os canais IRC para as distribuições que recomendamos:
  • Todas as principais distribuições GNU/Linux oferecem ajuda – sem custo algum – por meio de listas de discussão:
  • Se você precisar de assistência você pode telefonar a qualquer momento para obter ajuda, as empresas por trás da maior parte das distribuições oferecem suporte comercial: veja Consultores(as) do Debian, Ubuntu Commercial Support ou Red Hat Enterprise Linux para exemplos.


  1. ^ a b O que chamamos de “Software Livre” aqui também é frequentemente chamado de “Software de Código Aberto”. Na prática, os requisitos são idênticos, embora o termo “aberto” não chame a atenção para a liberdade, ele perde o foco. Leia em nosso FAQ: “Código Aberto” e “Software Livre” são a mesma coisa?.