Restrições

Um erro comum a utilizadores de Windows e Office é pensarem que são proprietários do software. Na verdade, há uma série de obrigações legais que lhes são aplicadas.

Não leu a licença até o fim? Nós fizemos isso por si.

As letras pequenas do contrato

  • O Windows e o Office são licenciados, não são vendidos.

    Ninguém pode comprar o Windows ou o Microsoft Office: em vez disso os utilizadores adquirem uma permissão para os usarem. A licença descreve os termos da permissão. Esses termos vêm no texto restritivo que se tem que aceitar, clicando em “OK”, para instalar.

  • Tem que se abdicar de muitos direitos para se usar o software.

    Há muitas restrições que, por lei, têm que ser aceites. Restrições sobre quem pode usar o software, sobre que tipo de proventos pode ganhar com ele, sobre como pode optar por instalar, sobre as restrições à privacidade, e até mesmo sobre se o pode doar -- a lista é longa. Ler a licença e enumerar os direitos que restam é em si uma tarefa difícil.

  • Um software de distribuição OEM não pode ser transferido para outro computador.

    Se comprou o seu computador com o Windows e o Office pré-instalados (as chamadas licenças OEM ou discos Windows selados), se mudar de computador tem de comprar o software novamente. A licença está ligada a um computador e expira com o equipamento. Por isso é ilegal transferir o software para outro computador.


Na maioria dos sítios de software livre, com alguns cliques pode-se encontrar a GPL [GNU], a licença X, a licença Apache ou qualquer outra, com os termos e condições que tiverem de ser aceites para se usar o software, sejam eles quais forem.

Nos sítios das empresas de software privativo a licença é praticamente inacessível, para que não seja lida até que o produto tenha sido pago. Depois, requerem que desligue parte do seu cérebro, requerem que desligue parte da sua capacidade de trabalhar e fazer negócios com outras pessoas, quando usar o software delas.

O significado por trás disso

Empresas como a Microsoft gostam de associar o seu software a produtos físicos, quando apontam violação de direitos de autor, por exemplo. No entanto, o software privativo está numa situação muito diferente dessa, dadas as licenças restritivas que inclui - tais restrições seriam impensáveis num carro ou uma bicicleta, por exemplo.

As restrições ao uso do Office e do Windows são tão severas, que muitas violações às mesmas ocorrem todos os dias, por todo o lado. Algumas pessoas são tentadas a comprar apenas uma cópia do Microsoft Office e instalá-la em dois computadores, por exemplo. Outras mantêem a sua cópia do Windows quando trocam de computador. Outras, ainda, oferecem o seu software Windows quando deixam de o usar.

You have an alternative to breaking this law, or feeling very restrained when you abide to it. GNU/Linux is Free Software (much better than just freeware): its GPL is designed to protect your rights.

Leia mais